sexta-feira, 31 de julho de 2009

ISAQUE E SEUS ERROS COMO PATRIARCA

Isaque e Família
Gn 25.27-28; Gn 27.1-13
Se formos procurar exemplos bíblicos sobre relacionamento familiar, praticamente só encontraremos no Velho Testamento.
Detalhe interessante: os exemplos são quase todos negativos. Estão lá para que aprendamos como não fazer - o que é tão importante quanto bons exemplos.
Vejamos o caso de Isaque, Rebeca e os dois filhos, Esaú e Jacó (gêmeos).

Gênesis 25.27-28 – Cresceram os meninos. Esaú saiu perito caçador, homem do campo; Jacó, porém, homem pacato, habitava em tendas. Isaque amava a Esaú, porque se saboreava de sua caça; Rebeca, porém, amava a Jacó.

Grande diferança de personalidade e gostos pessoais entre os dois irmãos. Esaú: caçador, homem do campo. Jacó: pacato, fazedor de tendas.
Isaque amava mais a Esaú pois gostava de comer o que ele caçava.
E Rebeca amava mais a Jacó - não diz o motivo (talvez por ser mais pacato, tinha mais contato).

O fato desse detalhe ter sido registrado, mostra que deveria ser muito forte a diferença no relacionamento entre Isaque e os dois filhos, assim como de Rebeca também.
Um era o "queridinho" do pai, outro da mãe. E aqui está o erro básico, de onde tudo se originou.
Não deve haver diferença no tratamento entre os filhos, no sentido de ser mais favorável, dar mais, dedicar-se mais. Precisa haver justiça, igualdade no amor, na dedicação.

Duas observações:
1) Simpatia pessoal é outra questão. E normal, mas deve ser mantida com discrição e não deve afetar o tratamento;

2) O método de disciplinar e corrigir pode variar conforme a personalidade (exemplo: um precisa de surra; outro só de olhar).
Mas nada disso implica em tratamento diferente, no sentido em que já comentei.

No caso de Isaque, o v. 28 sugere que Isaque abertamente dava preferência a Esaú e Rebeca a Jacó. No capítulo 27, a sugestão bíblica se transforma em certeza.

Gênesis 27.1-13 – Tendo-se envelhecido Isaque e já não podendo ver, porque os olhos se lhe enfraqueciam, chamou a Esaú, seu filho mais velho, e lhe disse: Meu filho! Respondeu ele: Aqui estou! Disse-lhe o pai: Estou velho e não sei o dia da minha morte. Agora, pois, toma as tuas armas, a tua aljava e o teu arco, sai ao campo, e apanha para mim alguma caça, e faze-me uma comida saborosa, como eu aprecio, e traze-ma, para que eu coma e te abençoe antes que eu morra. Rebeca esteve escutando enquanto Isaque falava com Esaú, seu filho. E foi-se Esaú ao campo para apanhar a caça e trazê-la. Então, disse Rebeca a Jacó, seu filho: Ouvi teu pai falar com Esaú, teu irmão, assim: Traze caça e faze-me uma comida saborosa, para que eu coma e te abençoe diante do SENHOR, antes que eu morra. Agora, pois, meu filho, atende às minhas palavras com que te ordeno. Vai ao rebanho e traze-me dois bons cabritos; deles farei uma saborosa comida para teu pai, como ele aprecia; levá-la-ás a teu pai, para que a coma e te abençoe, antes que morra. Disse Jacó a Rebeca, sua mãe: Esaú, meu irmão, é homem cabeludo, e eu, homem liso. Dar-se-á o caso de meu pai me apalpar, e passarei a seus olhos por zombador; assim, trarei sobre mim maldição e não bênção. Respondeu-lhe a mãe: Caia sobre mim essa maldição, meu filho; atende somente o que eu te digo, vai e traze-mos.

O restante todos conhecem: Jacó, com a ajuda da mãe, enganou Isaque e roubou a bênção de Esaú.
Esaú chegou depois, tentou ser abençoado e não conseguiu. O que ouviu foi uma dura previsão contra ele. Chorou muito e ficou com ódio do irmão, jurando matá-lo quando Isaque morresse.

Examinemos os erros para aprender com eles:

1. O motivo de Isaque escolher Esaú para abençoar parece que não foi por ser o mais velho (o que seria correto), mas porque gostava mais dele. E um gostar ligado com a comida! A comida da caça de Esaú era tão importante para Isaque que ele chegou ao cúmulo de condicionar a bênção a um bom prato!
Mesmo que fosse por ser mais velho, é bom lembrar que Esaú já havia vendido para Jacó o direito de primogenitura. A bênção já seria de Jacó, de qualquer maneira.
Tudo indica que foi por preferência pessoal mesmo, pura e simples.

2. Rebeca dá um mal exemplo de esposa e de mãe, que proporciona ao próprio filho ser roubado. E mal exemplo como pessoa, com a sua desonestidade.
Errou com relação a todos os envolvidos: o marido e os dois filhos. Veja bem:
* Com relação ao marido: propõe um plano para enganá-lo.
Aplicação: nunca minta, engane ou enrole o seu cônjuge. Use de transparência total.

* Com relação a Esaú: prejudicou o filho, roubando dele. E pior: para favorecer o outro!
Aplicação: os pais têm tanto poder com relação aos filhos e é tão complexo educar, que é fácil prejudicá-los, mesmo sem desejar. Temos de nos vigiar constantemente.
Pior é prejudicar sabendo, planejando.
E pior ainda: prejudicar um para favorecer o outro. Se você já fez isso, talvez tenha marcado o seu filho pelo resto da vida.

* Com relação a Jacó: mostrou protecionismo errado, prejudicial, induzindo-o ao erro.
Aplicação: cuidado com o protecionismo exagerado. Isso gera mais problemas do que soluções. Atrapalha bem mais do que ajuda ao filho.

* Com relação aos dois irmãos entre si: a mãe jogou um contra o outro. Semeou ódio na família.
Aplicação: nunca jogue um filho contra o outro. Semeie a harmonia entre eles, o amor, a paz.
O dever dos pais é jogar água no incêndio, não lenha na fogueira.

3. Jacó: mau exemplo em várias áreas.
* Deveria ter resistido firmemente à idéia maliciosa da mãe.
Mas isso não teria sido desrespeito? Dependendo da forma, não. É ato de amor mostrar o erro e não compartilhar com ele.

Aplicação: não se irrite quando o filho lhe apontar um erro. Mesmo que faça de maneira errada, corrija a forma como ele lhe agiu, mas deixando claro que fez bem a você.

* Enganou o próprio pai.
Ora, se o filho deve honrar o pai, imagine a gravidade do erro de enganar!

Aplicação: nunca deixem de lembrar aos filhos que precisam honrar pai e mãe, respeitar e, enquanto estiverem em casa, obedecer incondicionalmente.

* Roubou a bênção do irmão.
Aplicação: obrigue cada filho a respeitar tudo o que é dos irmãos.

4. Esaú
Nesse caso particular, foi inocente, a vítima.
Mesmo assim, não deveria ter jurado vingança. Vingança pertence a Deus.
Duas coisas bonitas de Esaú:
1) Respeitou a presença do pai, deixando para matar Jacó só quando o pai morresse.
2) Perdoou o irmão, vinte anos depois.

------------------------------------------------------------------
É importante ressaltar que o plano de Deus era que Jacó fosse abençoado. Esaú era um homem profano e desprezou as bênçãos do primogênito. Deus escolheu a Jacó antes de ele nascer.
Mas isso não anula a responsabilidade da família de Isaque de fazer o que era correto.
O fato de Deus se utilizar de erros das pessoas para alcançar Seus objetivos, não significa que essas pessoas estão isentas da culpa e livres dos seus erros.

Duas observações finais:
a) Estejamos sempre atentos à qualidade dos nossos relacionamentos familiares. O alvo é a perfeição!

b) Lancemos mão da misericórdia de Deus e pedir que Ele ajude nossos maridos/esposas e filhos, não permitindo que nossos erros os prejudiquem. Que Deus diminua os estragos que as nossas falhas provocam nos nossos amados, em casa.

Isaque e Família
Gn 25.27-28; Gn 27.1-13
Se formos procurar exemplos bíblicos sobre relacionamento familiar, praticamente só encontraremos no Velho Testamento.
Detalhe interessante: os exemplos são quase todos negativos. Estão lá para que aprendamos como não fazer - o que é tão importante quanto bons exemplos.
Vejamos o caso de Isaque, Rebeca e os dois filhos, Esaú e Jacó (gêmeos).

Gênesis 25.27-28 – Cresceram os meninos. Esaú saiu perito caçador, homem do campo; Jacó, porém, homem pacato, habitava em tendas. Isaque amava a Esaú, porque se saboreava de sua caça; Rebeca, porém, amava a Jacó.

Grande diferança de personalidade e gostos pessoais entre os dois irmãos. Esaú: caçador, homem do campo. Jacó: pacato, fazedor de tendas.
Isaque amava mais a Esaú pois gostava de comer o que ele caçava.
E Rebeca amava mais a Jacó - não diz o motivo (talvez por ser mais pacato, tinha mais contato).

O fato desse detalhe ter sido registrado, mostra que deveria ser muito forte a diferença no relacionamento entre Isaque e os dois filhos, assim como de Rebeca também.
Um era o "queridinho" do pai, outro da mãe. E aqui está o erro básico, de onde tudo se originou.
Não deve haver diferença no tratamento entre os filhos, no sentido de ser mais favorável, dar mais, dedicar-se mais. Precisa haver justiça, igualdade no amor, na dedicação.

Duas observações:
1) Simpatia pessoal é outra questão. E normal, mas deve ser mantida com discrição e não deve afetar o tratamento;

2) O método de disciplinar e corrigir pode variar conforme a personalidade (exemplo: um precisa de surra; outro só de olhar).
Mas nada disso implica em tratamento diferente, no sentido em que já comentei.

No caso de Isaque, o v. 28 sugere que Isaque abertamente dava preferência a Esaú e Rebeca a Jacó. No capítulo 27, a sugestão bíblica se transforma em certeza.

Gênesis 27.1-13 – Tendo-se envelhecido Isaque e já não podendo ver, porque os olhos se lhe enfraqueciam, chamou a Esaú, seu filho mais velho, e lhe disse: Meu filho! Respondeu ele: Aqui estou! Disse-lhe o pai: Estou velho e não sei o dia da minha morte. Agora, pois, toma as tuas armas, a tua aljava e o teu arco, sai ao campo, e apanha para mim alguma caça, e faze-me uma comida saborosa, como eu aprecio, e traze-ma, para que eu coma e te abençoe antes que eu morra. Rebeca esteve escutando enquanto Isaque falava com Esaú, seu filho. E foi-se Esaú ao campo para apanhar a caça e trazê-la. Então, disse Rebeca a Jacó, seu filho: Ouvi teu pai falar com Esaú, teu irmão, assim: Traze caça e faze-me uma comida saborosa, para que eu coma e te abençoe diante do SENHOR, antes que eu morra. Agora, pois, meu filho, atende às minhas palavras com que te ordeno. Vai ao rebanho e traze-me dois bons cabritos; deles farei uma saborosa comida para teu pai, como ele aprecia; levá-la-ás a teu pai, para que a coma e te abençoe, antes que morra. Disse Jacó a Rebeca, sua mãe: Esaú, meu irmão, é homem cabeludo, e eu, homem liso. Dar-se-á o caso de meu pai me apalpar, e passarei a seus olhos por zombador; assim, trarei sobre mim maldição e não bênção. Respondeu-lhe a mãe: Caia sobre mim essa maldição, meu filho; atende somente o que eu te digo, vai e traze-mos.

O restante todos conhecem: Jacó, com a ajuda da mãe, enganou Isaque e roubou a bênção de Esaú.
Esaú chegou depois, tentou ser abençoado e não conseguiu. O que ouviu foi uma dura previsão contra ele. Chorou muito e ficou com ódio do irmão, jurando matá-lo quando Isaque morresse.

Examinemos os erros para aprender com eles:

1. O motivo de Isaque escolher Esaú para abençoar parece que não foi por ser o mais velho (o que seria correto), mas porque gostava mais dele. E um gostar ligado com a comida! A comida da caça de Esaú era tão importante para Isaque que ele chegou ao cúmulo de condicionar a bênção a um bom prato!
Mesmo que fosse por ser mais velho, é bom lembrar que Esaú já havia vendido para Jacó o direito de primogenitura. A bênção já seria de Jacó, de qualquer maneira.
Tudo indica que foi por preferência pessoal mesmo, pura e simples.

2. Rebeca dá um mal exemplo de esposa e de mãe, que proporciona ao próprio filho ser roubado. E mal exemplo como pessoa, com a sua desonestidade.
Errou com relação a todos os envolvidos: o marido e os dois filhos. Veja bem:
* Com relação ao marido: propõe um plano para enganá-lo.
Aplicação: nunca minta, engane ou enrole o seu cônjuge. Use de transparência total.

* Com relação a Esaú: prejudicou o filho, roubando dele. E pior: para favorecer o outro!
Aplicação: os pais têm tanto poder com relação aos filhos e é tão complexo educar, que é fácil prejudicá-los, mesmo sem desejar. Temos de nos vigiar constantemente.
Pior é prejudicar sabendo, planejando.
E pior ainda: prejudicar um para favorecer o outro. Se você já fez isso, talvez tenha marcado o seu filho pelo resto da vida.

* Com relação a Jacó: mostrou protecionismo errado, prejudicial, induzindo-o ao erro.
Aplicação: cuidado com o protecionismo exagerado. Isso gera mais problemas do que soluções. Atrapalha bem mais do que ajuda ao filho.

* Com relação aos dois irmãos entre si: a mãe jogou um contra o outro. Semeou ódio na família.
Aplicação: nunca jogue um filho contra o outro. Semeie a harmonia entre eles, o amor, a paz.
O dever dos pais é jogar água no incêndio, não lenha na fogueira.

3. Jacó: mau exemplo em várias áreas.
* Deveria ter resistido firmemente à idéia maliciosa da mãe.
Mas isso não teria sido desrespeito? Dependendo da forma, não. É ato de amor mostrar o erro e não compartilhar com ele.

Aplicação: não se irrite quando o filho lhe apontar um erro. Mesmo que faça de maneira errada, corrija a forma como ele lhe agiu, mas deixando claro que fez bem a você.

* Enganou o próprio pai.
Ora, se o filho deve honrar o pai, imagine a gravidade do erro de enganar!

Aplicação: nunca deixem de lembrar aos filhos que precisam honrar pai e mãe, respeitar e, enquanto estiverem em casa, obedecer incondicionalmente.

* Roubou a bênção do irmão.
Aplicação: obrigue cada filho a respeitar tudo o que é dos irmãos.

4. Esaú
Nesse caso particular, foi inocente, a vítima.
Mesmo assim, não deveria ter jurado vingança. Vingança pertence a Deus.
Duas coisas bonitas de Esaú:
1) Respeitou a presença do pai, deixando para matar Jacó só quando o pai morresse.
2) Perdoou o irmão, vinte anos depois.

É importante ressaltar que o plano de Deus era que Jacó fosse abençoado. Esaú era um homem profano e desprezou as bênçãos do primogênito. Deus escolheu a Jacó antes de ele nascer.
Mas isso não anula a responsabilidade da família de Isaque de fazer o que era correto.
O fato de Deus se utilizar de erros das pessoas para alcançar Seus objetivos, não significa que essas pessoas estão isentas da culpa e livres dos seus erros.

Duas observações finais:
a) Estejamos sempre atentos à qualidade dos nossos relacionamentos familiares. O alvo é a perfeição!

b) Lancemos mão da misericórdia de Deus e pedir que Ele ajude nossos maridos/esposas e filhos, não permitindo que nossos erros os prejudiquem. Que Deus diminua os estragos que as nossas falhas provocam nos nossos amados, em casa.

terça-feira, 14 de julho de 2009

Informe missionário‏

A paz do Senhor, Meu amado pastor Francisco Pacheco que o Senhor nosso Deus continue abençoando sua vida, familia e ministério. Meu pastor graças a Deus estamos todos bem em todos os aspectos, e felizes cumprindo o chamado de Deus para as nossas vidas em solo equatoriano. Este mês passado passamos por uma grande prova mas, tivemos UMA GRANDE VITÓRIA!! Hacmoni meu filho mais velho nasceu com um problema de visão, entre outras complicaçoes com um dermoide (uma espécie de sinal branco no olho) e aí no Brasil fomos a vários oftalmologistas sem termos resultados positivos, e por último encontramos um especialista em Fortaleza que fez uma cirugia de correção da vista e disse que não era aconselhável fazer esta outra do dermoide porque podia danificar a visão dele e que deixasse assim como estava, nesse tempo Hacmoni tinha uns tres anos de idade. Hoje ele está com dizesete anos e há uns 17 dias atrás este dermoide inflamou e criou como um pus e estava a ponto de estourar e ele sentia muitas dores, e ficamos muito aflitos com essa situação porque não sabíamos o que fazer, a onde encontrar um oftalmologista que entendesse do caso dele. E nesse momento de aflição fizemos uma oração ao Senhor que nos desse direção e vitória, e procurei alguns irmaos aqui que nos indicasse um bom oftalmologista, mas não conseguimos resultados, então nos lembramos de um amigo nosso que é arquiteto e é cubano, e ele nos ajudou procurando um amigo dele que é cubano e especialista em oftalmologia e ligamos para ele. E isso era um domingo de tardezinha, e este médico passou um colírio e nos disse não nos preocupassemos e que na segunda-feira de manha fossemos para Latacunga(que fica a uns 100KM de Riobamba) onde ele nos atenderia, e quando chegamos era uma Clínica Oftalmológica que tem um convenio entre Cuba e o Equador, tinha aproximadamente umas cem pessoas para serem atendidas, quando os médicos chegaram nós já estavamos esperando e quando nos identificamos este doutor que se chama Edwin nos colocou na frente de todos e nos atendeu de imediato e já marcou a cirugia para duas horas depois e mandou fazer os exames de routina lá mesmo. Lá tem vários oftalmologistas que fazem operação, mas a cirugia de Hacmoni este médico veio pessoalmente fazer e todos os demais médicos vinheram olhar, e ele tirou o dermoide e fez a reconstituição do olho, que paresse que nunca teve nada ali, pois o especialista lá de Fortaleza nos disse que mesmo que tirasse o dermoide ficaria uma cicatriz no olho, mas para a glória de Deus não ficou nada de cicatriz e ele está se recuperando muito bem. O bom de tudo isso é que não pagamos um só centavo por tudo, até os colírios nos deram, os gastos que tivemos foram pelo transporte e comida quando vamos para lá, e Deus nos deu graça diante destes médicos que quando vamos eles nos atendem primeiro que todo mundo, e já me disseram: _ pastor se tiver alguma pessoa na sua igreja que tenha problema de vista pode trazer que nós atendemos com muito prazer, e eu aproveitei o convite e levei uns irmaos que foram atendidos e uma delas foi cirugiada também e tudo gratuitamente. Toda glória e toda honra seja dada ao nosso Deus que guarda e abençoa a todos os que Nele confiam!! E a igreja aqui continua crescendo e prosperando na presença do Senhor, Deus está fazendo maravilhas, operando com poder, restaurando vidas, salvando, pessoas se reconcilhiando com o Senhor, e a obra segue caminhando na presença de Deus, apesar das lutas e dificuldades, e ver a benção do Senhor nos alegra o coração, quando chegamos começamos tudo quase do zero. Na cidade de Ambato que fica aqui perto, tem um missionário brasileiro que é nosso amigo e ele já está aqui há uns 10 anos, e ele veio substituir outro missionário lá, e todos os anos ele faz um congresso de jovens e no primeiro ano daqui só foram meus filhos e um jovem da igrega, e este fim de semana teve novamente o congresso de jovens lá e de nosso ministério de Riobamba foi um ônibus cheio de jovens e isso que não foram todos os jovens. Estamos trabalhando com todas nossas forças para ver o progresso dessa obra e Deus está dando o crescimento, o campo missionário é cheio de desafios e quanto mais fazemos, mais necessidades vemos e desafios pela frente, mas vamos dando passos firmes e constantes em busca de nossos objetivos. Estamos orando para recebermos uma visita da parte de nossa convenção e secretaria de missoes aí de Campina Grande, pois já temos obreiros para consagrarmos e novos irmaos para serem batizados e só queremos fazer com a presença de voces. Meu caro pastor quero agradecer-lhe por todo o apoio que nos tem dado, como também a todos os demais pastores e igrejas que tem contribuído para a obra missionária, é um investimento que só a eternidade irá revelar, nem nós que estamos aqui podemos ver o alcance dessa obra, porque há coisas que como humanos não podemos perceber, mas o nosso Deus registra tudo e saberá como recompensa-los! Um forte abraço para todos!! Fraternalmente em Cristo, Mis. Pr. Edjanio Caitano e familia.
>